Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 25 de maio de 2010




Bukowski, "o historiador"

"A raia miúda sempre toma no rabo. A história não dá noutra coisa."

segunda-feira, 24 de maio de 2010




Fontes de Inspiração


" - Você ainda escreve uns troços legais, mesmo com todo esse bebum.
- Não vamos falar disso. Deve ser por causa da variedade de xoxotas que eu como."


Bukowski, "o metrossexual "

"Eu estava com o casaco do meu pai, já morto, e que era muito folgado pra mim. Minhas calças eram muito compridas, as barras cobriam os sapatos, o que era até bom, pois minhas meias não se combinavam, e os saltos estavam completamente gastos. Detestava barbeiros; por isso, cortava eu mesmo meu cabelo, quando não arranjava nenhuma mulher pra fazer isso por mim. Não tinha paciência pra fazer a barba, nem gostava de barbas longas; assim, a cada duas ou três semanas eu dava umas tesouradas nela. Minha vista era ruim, mas eu só usava óculos pra ler. Eu tinha dentes próprios, embora não fossem muitos. De tanto beber, minha cara e nariz ficaram vermelhos, e a luz doía nos meus olhos, o que me obrigava a enxegar através das frestas mínimas."


Problemas com a Bebida

"Esse é o problema com a bebida, pensava, enquanto enchia o corpo. Se acontece uma coisa boa, você bebe pra comemorar; se não acontece nada, você bebe pra que aconteça alguma coisa."


Domingo de Manhã

"O sol já ia nascendo. O mundo estava acordando. Alguns de ressaca. Outros pensando em ir à Igreja. A maioria ainda dormia. Domingo de manhã..."

sábado, 22 de maio de 2010




Anatomia Humana


"Era um prédio decadente. Logo antes do saguão , ela virou á direita, e eu fui atrás dela por uma escada de cimento, olhando seu rabo. É estranho, mas todo mundo tem um rabo. É quase triste isso. "



domingo, 16 de maio de 2010





Fontes de Inspiração

"- Você fala muito de bebida nos seus livros. Você acha que a bebida te ajudou a escrever?
- Não. Sou apenas um alcoólatra que virou escritor pra poder ficar na cama até a hora do almoço."


Mulheres...


"Valerie bateu na porta. Escutei Bobby arrancando. Fiz ela entrar. Estava uma delícia. Preparei dois scoths com água. Nenhum de nós abriu a boca. Enxugamos os drinques, e eu preparei mais dois. Depois eu disse:
- "Vamos prum bar."
Entramos no meu carro. A Máquina Melequenta estava logo na esquina. Chegamos lá, pegamos uma mesa e pedimos bebidas. Sempre calados. Eu só ficava olhando praqueles olhos azuis malucos . A gente se sentou lado a lado, e eu dei um beijo nela. Sua boca estava fria e aberta. Beijei-a de novo e nossas pernas se comprimiram, por baixo da mesa. Escolhemos o jantar. Nós dois pedimos filés e ficamos á espera, bebendo e beijando. O garçom disse:" - Apaixonados, hein?!", e a gente riu. Quando os filés chegaram, Valérie disse:
"- Não quero comer o meu."
E eu:
" -Também não quero comer o meu."
A gente ficou mais uma hora bebendo e daí resolveu voltar pra casa. Assim que eu estacionei na frente do prédio vi uma mulher na entrada de carros. Era Lydia. Estava com um envelope na mão. Saí do carro com Valérie e Lydia nos encarou.
- Quem é essa?- perguntou Valérie
- A mulher que eu amo- disse pra ela.
- Quem é a cadela?- gritou Lydia.
Valérie virou as costas e saiu correndo pela calçada. Podia ouvir os saltos quicando o pavimento. " Vamos entrar", disse pra Lydia. Ela veio atrás de mim.
- Vim aqui pra te entregar essa carta e parece que cheguei na hora certa. Quem era ela?
- A mulher do Bobby , somos apenas amigos.
- Você ia comer ela, não ia?
- Olhe aqui, baby... De repente ela me deu um empurrão. Eu estava de costas pra mesinha do café que ficava na frente do sofá. Caí sobre a mesa e me afundei no espaço entre a mesa e o sofá. Escutei a porta bater. Me levantei ouvindo o motor do carro de Lydia dar a partida. Daí ela arrancou. Filha , duma puta, pensei. Num minuto tenho duas mulheres, no outro nenhuma."

Crise Econômica


"O hipódromo tinha mudado. Há quarenta anos, havia uma certa alegria, mesmo entre os perdedores. Os bares ficavam lotados. Era um pessoal diferente, uma cidade diferente, um mundo diferente. Não havia dinheiro para jogar pra cima. Dinheiro... á merda com ele. Era o fim do mundo. Roupas velhas. Rostos retorcidos e amargurados. Era dinheiro alugado. O dinheiro a cinco dólares a hora. O dinheiro dos desempregados, dos imigrantes ilegais. O dinheiro dos batedores de carteira, dos assaltantes, o dinheiro dos deserdados. O ar era sombrio. E as filas eram longas. Faziam os pobres esperar em longas filas. E eles ficavam nelas para ver seus sonhos esmagados."

Tédio...O Futuro da Humanidade

"Não é só a velhice, mas pode ter algo a ver com isso. Acho que o grande problema é que tudo é uma performance repetida para eles. Não há novidades neles. Nem mesmo o menor dos milagres. Apenas se arrastam sobre mim. Se, um dia, eu pudesse ver uma pessoa fazendo ou dizendo algo incomum me ajudaria a seguir em frente. Mas são rançosos, bolorentos. Não há emoção. Olhos, ouvidos, pernas, vozes, mas... nada. Congelam-se dentro de si mesmos, se enganam, fingindo que estão vivos."

sábado, 8 de maio de 2010



O carinho depois do sexo


"Trepamos. Depois nos separamos, cada um esperando sua vez de entrar no banheiro para limpar o ranho de nossas narinas sexuais."



Uma noite perfeita


"Esta noite, me sinto envenenado, mijado, usado, gasto até o osso."





Uma tarde perfeita


"Mais um dia baleado na cabeça e enterrado. Foi outro sábado de tarde no inferno."




Melhor Idade



"Quanto mais velho o escritor fica, melhor ele deve escrever, ele já viu coisas, já aguentou mais, já perdeu mais, está mais perto da morte. Esta última é a maior vantagem. A morte não significa nada. É caminhar arrastando a bunda, é quando as palavras não vêm voando da máquina, é o engano. Estar perto da morte é energizante. Tenho todas as vantagens. Posso ver e sentir coisas que são escondidas dos jovens. Passei do poder da juventude para o poder da idade."



Televisão

"E afinal de contas, que diabos é Televisão? Nada mais que censura, comerciais e risadas gravadas. E você não pode ofender os anunciantes e ainda tem que agradar os patrocinadores."



Tempo

"Eu ainda estou vivo. É quase o ano 2000 e eu ainda estou vivo, seja lá o que isso signifique."




O Impostor

"Comecei sóbrio a leitura, no museu de arte moderna. Depois de ler uns poemas, alguém na platéia perguntou:
-"O que tá acontecendo que você não tá bêbado?"
- Henry Chinaski já estaria bêbado a esta altura. Eu sou o irmão mais novo dele, o Efram."



A inveja do pênis, segundo Bukowski

"Lydia voltou e achou um apartamento legal no bairro de Burbank. Ela parecia mais ligada em mim agora do que antes da separação:
"- Meu marido tinha um pau enorme, e nada mais. Não tinha personalidade , não tinha pique. Só um pau enorme, e achava que era tudo o que eu precisava ter. Deus meu, o que ele era chato! Você, sim, tem um alto pique... essa corrente elétrica que nunca se interrompe."
A gente tinha acabado de trepar e estava junto na cama..."


Mulheres...


"As mulheres me conheciam por antecipaçäo por causa dos meus livros. Eu me expunha neles. Por outro lado, eu nada sabia delas. O risco era todo meu. Eu podia ser morto. Eu podia ser capado. Chinaski sem as bolas. Poema de Amor de Eunuco."



Justiça com as próprias mãos...


"Eu andara tomando uma montão de vitamina-E nos últimos tempos. Eu tinha idéias próprias sobre o sexo. Era um tarado e me masturbava o tempo todo. Eu transava com Lydia, depois voltava pra casa de manhã e me masturbava. A idéia de sexo como algo proibido me excitava pra além de qualquer entendimento. Sexo era um animal tentando se impor ao outro. Nas punhetas, eu sentia que gozava na cara de todas as coisas decentes. Branco esperma pingando sobre as cabeças e almas dos meus pais mortos."

Moda


"Todos os nativos usavam o mesmo corte de cabelo, as mesmas fivelas nos sapatos de saltos altos, casacos leves, ternos de uma só fileira de botões metálicos, camisas listradas, gravatas que corriam toda a escala de dourado ao verde. Até os rostos eram iguais: narizes, orelhas, bocas e expressões iguais. Lagos rasos cobertos de gelo fino."